Ex Machina

Lançamento: Janeiro de 2015

Direção: Alex Garland

Sinopse: Caleb (Domhnall Gleeson), um jovem programador de computadores, ganha um concurso na empresa onde trabalha para passar uma semana na casa de Nathan Bateman (Oscar Isaac), o brilhante e recluso presidente da companhia. Após sua chegada, Caleb percebe que foi o escolhido para participar de um teste com a última criação de Nathan: Ava (Alicia Vikander), uma robô com inteligência artificial. Mas essa criatura se apresenta sofisticada e sedutora de uma forma que ninguém poderia prever, complicando a situação ao ponto que Caleb não sabe mais em quem confiar.

Inicialmente a minha motivação para ver o filme foi por ter a atriz Alicia Vikander, apesar de ter já ouvido várias críticas positivas sobre este filme. Alicia é a nova Tomb Raider nos cinemas e isso me motivou a procurar mais sobre o trabalho dela para saber se realmente ela é uma boa atriz.

Este filme traz um elenco bem reduzido e uma narrativa carregada de muito questionamento e mistério. Caleb ganha o concurso e vai passar uma semana na casa do presidente de sua companhia, o que ele não esperava era que Nathan queria usá-lo em um teste para poder interagir com sua última criação e atestar se ela tem ou não inteligência artificial.

No inicio tudo é muito empolgante para Caleb, mas depois as coisas começam a tomar outro formato. Ele conhece um novo “eu” de seu chefe que o faz se questionar sobre várias coisas. Além do fato de Ava se mostrar sempre tão aberta a um relacionamento mais próximo com ele.

A fotografia e o jogo de cores de todo o filme é muito bonito, apesar de vermos mais tons de cinza do que imaginamos ser possível. Os efeitos visuais no corpo de Ava são impressionantes e mostram muitos detalhes. Este filme ganhou o Oscar de Melhores Efeitos Visuais e foi indicado para o Oscar de Melhor Roteiro Original em 2016.

Esse é o tipo de filme no qual você acha que está no controle o tempo todo e que está conseguindo desvendar quem mente e quem diz a verdade, mas no final você é enganado por um ou por outro lado. Por isso digo que esse filme é bem misterioso.

Durante todo o enredo o principal questionamento de Nathan era se realmente Ava pensava ou se ela simulava pensar para que todos acreditassem que ela estava pensando realmente. Mas todos esqueceram de se questionar o mais importante: se Ava tinham ou não sentimentos reais. Na verdade não importa muito se a máquina é inteligente ou se tem consciência própria, mas se ela desenvolveu ou não sentimentos para “se importar” com os outros.

Percebi que os dois personagens, tanto Caleb e Nathan, passam o filme inteiro afirmando que Ava tem sentimentos, mesmo que indiretamente, algo que na verdade eles não tinham como provar.

Toda a construção do enredo e desenvolvimento das cenas é muito bem feito. A interpretação de Alicia e dos outros atores é impressionante, mesmo porque é difícil segurar um filme inteiro com tão poucos personagens se eles não forem bons de verdade. E sim, eu pensei algo durante o filme todo e no final fui enganada. E vocês? Também foram enganados pelo filme? Qual personagem enganou vocês? Digam nos comentários, quero muito saber.

Talvez você também goste...

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *