Livros

Fragmenta-me – Tahereh Mafi

27/10/2014
FRAGMENTAME_1400613932BDepois de ler cuidadosamente esse livro extra da trilogia fico me perguntando sobre a frase desse e-book: “Eu não vou perdê-la”. Pergunto-me porque colocaram uma frase tão equivocada com o que seria escrito dentro do livro na capa? Quando terminar minha explanação sobre este livro, tenho certeza que entenderam minhas considerações.
Adam é nos apresentado de uma forma completamente diferente de Estilhaça-me e de Liberta-me. Lembro a todos que só devem ler este livro depois de lerem os dois primeiros da sequencia. Em Estilhaça-me conhecemos um Adam que sempre pensou em Juliete, que a procurou e que de uma forma muito torta volta pra a vida dela a fim de protegê-la. Em Liberta-me, apesar de Adam sentir muitas dores ao tocar em Juliete ele não aceita se afastar dela. Fica sempre por perto esperando que ela o aceite de volta.

Fragmenta-me trata sobre os últimos capítulos do Liberta-me na percepção de Adam e lá podemos ver claramente que ele não ama e nunca amou Juliete. Eu sei que isso é um choque para muitos leitores, mas logo entenderam. Adam é agressivo. Devo dizer que ele é mais agressivo que Warner. Ele pensa em bater e resolver os problemas ou desavenças com lutas físicas em todo tempo. Qualquer problema que surge, ele pensa em socar ou fazer algo fisicamente contra a pessoa em questão, mesmo que seja um amigo. Então ele descreve o que motivou a busca por Juliete e o que ele tinha em mente para ela. Ele queria mudá-la. Nunca a amou da forma que ela era. Com seus dons ou seus demônios. Sempre quis que ela se acertasse e vivesse como qualquer um deles. Como uma pessoa normal.
Ele se engana muito nesse ponto. Ela não é normal. As suas habilidades nunca a farão ser normal. Como ele pode desejar que ela se torne alguém que não é? Tem um ponto na narrativa que realmente me chama a atenção. Ele descreve seus olhos e suas mãos com posturas loucas, comparando com o tempo de quando a tirou da solitária. Então diz que pensou que ela estivesse “melhorando”, mas que na verdade ela estava regredindo. Aquilo foi como uma apunhalada no coração de qualquer leitor.
E quando ele precisa escolher entre o Jaime e Juliete, escolhe Jaime sem nenhum arrependimento. Mesmo depois de encontrar Jaime e coloca-lo em segurança em nenhum momento volta a pensar em Juliete. Na verdade ele nem quer pensar nela. Está cansado de tudo aquilo e prefere não pensar em ir resgatá-la. Então quando a terrível notícia chega pelo Kenji ele se sente todo ferido. Que grande absurdo! Kenji é a única pessoa realmente preocupada com Juliete. Ele fala a todo o momento que precisam resgatá-la e Adam só desconversa. Muito melhor ficar no conforto onde se encontram do que ir atrás de “mais problemas e falta de estabilidade”. Agora se isso é amor? Eu realmente não sei o que é amor.
A melhor parte daquele livro, se é que tem uma melhor parte, é o Jaime. Ele é a criança mais linda que já vi descrita. Sério! Ele é muito importante para Adam que o considera como um filho, já que acabou criando ele como se fosse um pai. Posso até ficar com raiva do Adam, mas do Jaime nunca.

 

Você pode ler também...

Sem comentários

Leave a Reply