Ligeiramente Casados – Mary Balogh

Série: Os Bedwyns 1
 
Editora: Arqueiro
 
Sinopse: À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse “Custe o que custar!”. Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum. Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela… a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias. Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar. Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados…
O livro é uma belíssima edição da Arqueiro com folhas amarelas, um excelente tamanho de letra e temática envolvente. Ouso dizer que está virando moda fazer série de livros de épocas com famílias grandes e cada livro contar a história de um dos filhos. Neste livro conhecemos a história de Eve e como teve um casamento de conveniência com Aidan Bedwyn.
Por Eve ser uma dama não muito bem preparada para viver na aristocracia que Aidan vive muitas inseguranças rodearam essa história. O começo deles foi regado ao pagamento de uma dívida e o resto pelo andamento dos acontecimentos. É impossível não sentir raiva ou chateação várias vezes no livro por simplesmente eles não conversarem abertamente entre si, nem mesmo explodirem em algumas discurções. Tudo é muito comedido e enrolado, isso foi terminantemente um ponto negativo do livro para mim.

 

A relação de Aidan com a família não poderia ser mais complicada e cheias de por menores. A própria Eve comprende ao longo do livro que a vida de um nobre não é nada fácil. Então um casamento  que tecnicamente deveria durar cerca de uns três dias de contato e convivência é completamente interferido pelo duque Bewcastle, irmão mais velho de Aidan, que não admite seu irmão ter se casado e ter o intuito de deixar escondida sua cunhada no interior.
Então o duque cria toda uma situação e traz Eve de volta a Londres, onde havia se casado com uma licença especial anteriormente, para ser preparada e devidamente apresentada a rainha e toda a nobreza. Houve uma idéia sempre muito reforçada no livro inteiro em relação a família Bedwyn, de que quando se casa o membro da família deve ser fiel e dedicado ao cônjuge até o final de suas vidas, e quando realmente amam, amam pra toda eternidade.
Tudo fica muito caótico e o fato de Eve e Aidan não terem conversas profundas deixa tudo cheio de interpretações erradas sobre sentimentos das duas partes. Há também os “incapazes” que Eve cuida com amor e que dependem dela, e foi principalmente por eles que aceitou esse casamento de conveniência. O que instigou o casamento por parte do coronel Aidan foi simplesmente a dívida de vida que tinha com o falecido irmão de Eve.
A medida que os dias vão passando eles constroem um relacionamento diferente e digo que o final foi completamente realista. Eve provocou profundas mudanças em Aidan, recitando o que havia de melhor, antes que enterrasse no mais profundo de seu ser. Com certeza é um boa leitura. Estou louca para ler os demais livros, com os outros irmãos, principalmente com o duque, esse sim é muito misterioso.
 
 

Talvez você também goste...

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *