Tomb Raider: A Origem

Lançamento: Março de 2018

Direção: Roar Uthaug

Sinopse: Aos 21 anos, Lara Croft (Alicia Vikander) leva a vida fazendo entregas de bicicleta pelas ruas de Londres, se recusando a assumir a companhia global do seu pai desaparecido (Dominic West) há sete anos, ideia que ela se recusa a aceitar. Tentando desvendar o sumiço do pai, ela decide largar tudo para ir até o último lugar onde ele esteve e inicia uma perigosa aventura numa ilha japonesa.

Para quem segue o blog não é novidade o fato de eu gostar bastante dos jogos da Lara Croft e também de ter amado esse reboot que fizeram com a personagem nos jogos deixando-a muito mais próxima das mulheres de hoje em dia, ao invés de habitar apenas no imaginário dos homens. Quem quiser ler minha resenha sobre o primeiro jogo dessa nova Lara, clique aqui.

Fiquei imensamente feliz de levarem a nova franquia para o cinema e escolheram uma atriz fisicamente parecida com a nova imagem da Lara. Alicia Vikander tinha uma difícil missão, substituir Angelina Jolie que para muitos será uma eterna Lara, mas não para mim. Vi os filmes anteriores e não curti nenhum, sempre achei a atuação da Angelina muito vazia quando se tratava de Lara Croft.

Antes de ir ao cinema ver o filme comecei a ouvir vários comentários e resenhas dizendo no que o filme pecava e no que ele pontuava. Pelos trailers já pude ver que eles mudaram a história do primeiro jogo (o primeiro filme deveria trazer a história do primeiro jogo da nova franquia), eles fizeram uma mescla do primeiro e do segundo jogo lançado que ainda não joguei. Claro que o marketing não perdeu tempo e usou a estreia do filme para comunicar sobre o lançamento do novo jogo que deve sair agora em setembro. Esse novo jogo fecha uma trilogia de origem da personagem.

Voltando para o filme, nos primeiros momentos somos apresentados a uma Lara diferente. Que vive de uma forma simples e que luta Kickboxing, além de trabalhar em meio período como entregadora. O interessante é que ela faz as entregas de bike. Sua realidade é assim já faz vários anos desde que seu pai desapareceu e ela decidiu não reconhecer a morte dele, sendo assim não teria controle sobre as empresas e todo seu império.

Mas fatos novos aparecem e ela se joga numa aventura sem nenhuma garantia apenas com uma esperança de poder resgatar seu pai. Nessa aventura acaba formando dupla com Lu Ren (Daniel Wu), que é o filho do capitão que guiou seu pai para a ilha japonesa atrás de um mistério chamado Himiko. Eles naufragam assim que se aproximam muito da ilha e é onde toda a grande aventura começa.

A ambientação, cenas de ação, trilha sonora e caracterização são perfeitas. Pra quem jogou é impossível não reconhecer várias cenas de ação e de fuga da Lara. E temos que dar todo o crédito para Alicia, pois ela passou por uma preparação física pesada para a interpretação e não usou dublê em nenhuma cena. O vilão Mathias (Walton Goggins) é muito bom para todo o contexto, mas pelo que soube ele não reflete nem o vilão do segundo game e nem o vilão do primeiro (com certeza), parece ser mais uma mistura dos dois o que achei bem apropriado.

Claro que nem tudo são flores, percebemos que o roteirista queria dar um peso maior na relação de pai e filha, mas isso não convenceu muito. Acho que se eles tivessem investido mais na relação de companheirismo de Lu Ren com Lara teria sido uma escolha mais acertada. Em relação ao primeiro jogo, eu senti falta de alguns personagens bem memoráveis que não estão no filme. Espero que lancem a continuação ainda melhor que este filme, pois Alicia já mostrou que dá conta do recado.

Talvez você também goste...

10 Comentários

  1. Oi Kelen, tudo bem?
    As críticas mais pesadas me desanimaram de ir ao cinema conferir, mas quero baixar pra assistir. As cenas de ação parecem fantásticas, aquela dela pulando da asa do avião é muito estilo o jogo. <3
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

  2. Oie Kelen =)

    Nunca fui muito ligada na história da Tomb Raider, nem os filmes ou o jogo.
    Vi que a critica foi bem negativa sobre esse filme, o que com certeza deve ter sido um pouco decepcionante para os fãs.

    Não é um filme que eu esteja curiosa para assistir, mas caso esteja passando e eu tiver de bobeira posso dar uma chance ^^

    Beijos e uma ótima semana;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    1. Oi Ane,
      As críticas não foram tão pesadas, e como fã não fiquei decepcionada, pelo contrário curti demais. Então posso dizer que vale a pena ver ^^
      Bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *