Especiais Livros

Especial Nárnia – Príncipe Caspian

22/01/2015

Crônica: Príncipe Caspian

Série:As Crônicas de Nárnia

Editora:VMF Martins Fontes
Sinopse:Tempos difíceis abateram-se sobre a terra encantada de Nárnia. Os dias de paz e liberdade, em que os animais, anões, árvores e flores viviam em absoluta paz e harmonia, estavam terminados. A guerra civil dividia o reino, e a destruição final estava próxima. O príncipe Caspian, herdeiro legítimo do trono, decide trazer de volta o glorioso passado de Nárnia. Soprando a trompa mágica da rainha Suzana, ele convoca Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia para ajudá-lo em sua difícil tarefa.
Os irmãos pevensie voltam para Nárnia e vivem mais uma aventura juntamente com o príncipe Caspian. Vi o filme e li a crônica, devo dizer que há muitas diferenças e que se fosse escolher entre os dois ficaria com o filme. Eu sei, nesse momento muitos devem estar se perguntado o porquê e vou responder.
Os irmãos encontram suas coisas guardadas

No livro a história é um pouco arrastada. Ele basicamente é um livro de guerra, uma luta para recuperar o trono de Nárnia que foi usurpado pelo tio do herdeiro legítimo, Miraz. Começando com os nossos quatro heróis sendo puxados para o mundo de Nárnia numa estação de trem. No filme eles reproduzem o diálogo idêntico do livro, mas eles param na praia e no livro param numa floresta próxima da praia. Não achei uma diferença muito grande e com certeza ver aquela imensidão de azul do mar do nada é um choque visual muito maior do que despertar dentro de uma floresta.

Os reis indo para a mesa de pedra
No decorrer da história eles passam alguns dias em Cair Paravel, que havia virado uma ilha, até encontrarem e salvarem o anão Trumpkin (mais tarde apelidado pelas crianças de N.C.A. – nosso caro amiguinho). Algo que é mostrado até no filme de uma forma rápida. Depois ficam mais tempo na ilha até saírem e percorrem um longo caminho ao encontro de Caspian. No filme acontece bem mais rápido, o que achei maravilhoso porque realmente era sem propósito eles ficarem perdendo tanto tempo conversando na ilha enquanto Nárnia estava em guerra. O livro descreve o anão contando toda a história de Caspian para os quatro na ilha. Enquanto no filme essa parte foi mudada e os acontecimentos acontecem paralelamente. O que dá um dinamismo único e também a forma como os animais se reúnem com o novo rei de Nárnia é muito mais realista do que se fosse na forma contada do livro.
No filme conhecemos muito mais do caráter de Caspian do que no livro. Ele aparece poucas vezes e nunca toma uma postura muito forte, além das inúmeras batalhas perdidas contra seu tio. Novos elementos são introduzidos no filme que não existem no livro. Como Pedro sendo arrogante e tendo desavenças com Caspian o que seria extremamente natural naquela situação. E agradeço ao roteirista do filme por não ter deixado Susana resmungando como fica no livro. Sério, ela faz isso em várias e várias páginas.
Grande Rei Pedro e Príncipe Caspian

Sabemos que nos livros Susana gosta muito mais de ficar de fora das batalhas e que Lúcia é quem luta que nem “menino”. Palavras do próprio autor. Porém, era realmente necessário ela ter uma presença mais forte no campo de batalha junto com os irmãos já que ela é mais velha até que Edmundo.

Há uma parte no livro que foi totalmente cortada do filme e eu agradeço novamente ao roteirista. Não sei o que houve com Lewis, mas ele introduz Baco (o deus do vinho) na história. Isso não tem relação com absolutamente nada da história em foco. Ainda não entendo o porquê de ele ter colocado Baco, e outras coisas. Mas as árvores e os espíritos da natureza eram totalmente necessários. Não apenas na batalha, mas pelo simples fato deles realmente despertarem. E no filme isso fica muito claro o momento que elas voltam à vida.
Seguindo a parte do Baco, há a parte do ser marítimo no Beruma, com certeza muito mais importante para a história. Não preciso dizer que a representação dessa parte no filme foi bem fiel né? Realmente é de impressionar.
Caspian resgata Susana

Agora infelizmente tenho que decepcionar quem amava o casal Susana e Caspian, pois o único contato que eles tem no livro é no final quando o novo rei tenta devolver a trompa e Susana pede para ele guardar para ela. Só isso. Não há romance gente. Não há nada.

A batalha final

A parte que a Feiticeira Branca aparece no filme foi puro exagero. Houve intervenção bem antes disso de Pedro e Edmundo. Então no geral ainda fico com a versão do filme que pôde explorar muito mais a personalidade de cada um e seus sentimentos. Principalmente o de culpa, de tomarem decisões precipitadas, de não terem ou oscilarem na fé de que Aslam realmente poderia vir ao encontro deles.

Rainha Lúcia e Aslam

Lúcia sempre se destaca neste sentido. Ela sempre vê Aslam primeiro, mesmo quando ninguém está vendo ou mesmo quando ninguém quer ver. O livro aborda muito esse aspecto, às vezes não vemos algo porque simplesmente não queremos ver. Não queremos acreditar.

 

Você pode ler também...

2 Comentários

  • Reply Hangover at 16 (contato) 24/01/2015 at 2:35 am

    Adorei sua resenha! Muito bem explicada aos detalhes. Que pena que o livro é mais de guerra, provavelmente então eu não gostaria 🙁 o filme é bem mais interativo e envolvente nesse sentido

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "O presente do meu grande amor", vem ver!

  • Reply Kelen Vasconcelos 24/01/2015 at 1:30 pm

    Eu também fico com o filme XD

  • Leave a Reply